Para as mamães de recém-nascidos – por Rafaela Carvalho

De Mãe para Mãe - Somos todas iguais10/06/19 By: Renata Pires
(2) Comentários

 

Olá!

Esses dias me peguei pensando em como eram meus bebês quando recém-nascidos. Na verdade, acho que era tanta loucura que não lembro exatamente desses momentos. Tenho flashs em minha cabeça, mas não lembro perfeitamente desse momento.

Este texto, da Rafaela Carvalho do A. Maternidade, descreveu um momento que eu lembro perfeitamente e me fez recordar com muita alegria dos meus gêmeos bebezinhos.

Para quem tem bebê recém-nascido, para quem já passou por isso ou para quem está prestes a passar, vale muito a leitura!

Espero que gostem e que o texto relembre também para vocês, um momento que foi muito marcante para mim!

Mil Bjss

 

Para as mamães de recém-nascidos - Just Real Moms

 

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………

 

Para as mães com recém-nascidos

As primeiras semanas com a Zara em casa foram as mais difíceis da minha vida. Uma  alegria misturada com cansaço e a sensação de que a minha vida nunca mais voltaria ao normal.

Foram noites e noites tentando acalmar uma bebê que gritava de cólica, de sono, de sabe-se lá Deus o quê. Minha bebê chorava todos os dias das 18 às 20 horas sem folga nem para pegar um arzinho.

E apesar de ter a certeza de que eu a amava com todo o meu coração, este amor todo ainda não tinha se encaixado dentro de mim. A vida naquelas primeiras semanas estava em piloto automático. Amamentar, trocar fraldas, dar atenção para os meus outros filhos, cozinhar, arrumar brinquedos, dar banho, repetir tudo outra vez, e sobreviver. Nas primeiras semanas com um bebê recém-nascido a gente sobrevive.

Foi então que em um dia, que parecia como outro dia qualquer, aconteceu. Eu estava sentada no sofá da sala, com as minhas pernas dobradas, os pés apoiados no sofá, joelhos lado a lado, e com a minha bebê deitada de barriga para cima sob as minhas pernas. Eu a olhei nos olhos, e  os olhos dela quase se fecharam, ficaram apertadinhos, e ela sorriu. Sentei-me um pouco mais reta e a olhei nos olhos  mais uma vez. E ela sorriu novamente. Um sorriso real. De propósito. Intencional. Só para mim. Ela sorriu para mim. Indescritível sensação, como se eu estivesse testemunhando um milagre. Foi quando o amor, em forma de âncora, afundou dentro do meu corpo. E como um soro que é colocado na veia, foi se espalhando por todas as minhas células. E o meu peito parecia explodir de plenitude. E eu chorei.

Chorei por lembrar de todas as vezes que acordei de madrugada reclamando. Chorei por todos os momentos de choro incessante e que pensei e disse coisas tolas e até ruins. Chorei de alegria por acreditar que dias melhores estavam por vir. Chorei em agradecimento a Deus por ser mãe desta menina linda, e por Ele ter me ajudado chegar até aqui. Chorei porque uma sensação de felicidade se espalhava por todo o meu corpo.

A melhor parte é que estes momentos e sensações se repetem inúmeras vezes, e nos atingem quando a gente menos espera. Toda vez que um dos meus bebês sorri para mim, e pode ser o meu bebê mais velho que tem 13 anos, ou minha caçula com 10 meses, o meu coração salta de novo, exatamente da mesma maneira, e é sempre um milagre.

 

Para as mamães de recém-nascidos - Just Real Moms

 

Texto escrito por Rafaela Carvalho, do blog A. Maternidade

 

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários:Para as mamães de recém-nascidos – por Rafaela Carvalho
  1. Avatar
    Marianna

    Perfeito ! É exatamente assim 🙂
    Adoro o blog, parabéns !

  2. Avatar
    Luiza B Campos

    Maravilhoso! Real! Sorte a nossa poder viver tudo isso: morrer de amor e continuar vivendo!

X Leia também: