Piolhos, talvez você passe por isso – por Dra. Juliana Macéa

De Mãe para Mãe - Dicas dos especialistas18/09/13 By: Juliana Macéa
(2) Comentários

 

Oi, meninas!

 

No post de hoje, a nossa colunista, a dermatologista Dra. Juliana Macéa, que já nos deu dicas incríveis aqui no blog, vai falar sobre um assunto pelo qual muitas de nós ainda não passou, mas que, provavelmente, irá passar: os piolhos em crianças!

 

Eu me lembro bem quando tive piolho e, naquela época, não haviam muitos remédios especializados. Lembro que minha mãe jogava vinagre na minha cabeça! Ainda hoje é bem comum crianças terem piolhos… Portanto, mamães, vamos ficar de olhos abertos aos sintomas!

 

Mil Bjsss

 

 

………………………………………………………………………………………………………………………

 

 

Piolhos, talvez você passe por isso!

 

 

piolho1

 

 

Antes de termos filhos, costumamos achar que piolho é uma coisa de outro mundo, geralmente relacionada a hábitos inadequados de higiene. Porém, muitas mães (especialmente as de crianças acima dos 4 anos) acabam descobrindo que os piolhos podem ser mais frequentes do que gostaríamos. Mas, afinal, o que são, como identificar e tratar?

 

O piolho é um inseto chamado Pediculus humanus e a transmissão acontece normalmente pelo contato direto cabelo com cabelo e muito raramente por meio de bonés ou chapéus usados por alguém contaminado. O piolho libera uma substância irritante e, por isso, a infestação coça bastante. Muitas vezes, o couro cabeludo chega a ficar avermelhado e com “casquinhas” e uma área frequentemente acometida é a da nuca. Fique atenta para “coceiras” nesta região!

 

Como o número de insetos adultos no couro cabeludo costuma ser pequeno, o mais fácil é encontrar as lêndeas, que são os ovos. Elas parecem uma caspinha esbranquiçada, mas olhando de perto, têm um formato de gota e ficam supergrudadas no fio do cabelo, ao contrário de uma caspa comum que se desprende facilmente.

 

 

piolho5

 

 

Felizmente o tratamento costuma ser bem eficaz. Normalmente é feito com loções ou xampus à base de permetrina (em concentração que varia de 5 a 10%) e deve ser espalhado em todo comprimento dos fios por cerca de 30 min e depois enxaguada. Atualmente, existe também um tratamento oral à base de ivermectina.

 

Na minha opinião, é fundamental repetir o tratamento (quer seja tópico, oral ou ambos) após 7 a 10 dias, pois este é o tempo que algum ovo resistente leva para gerar um novo piolho e recomeçar a contaminação.

 

 

piolho2

 

 

Ah! E é superimportante avisar na escola que seu filho está com piolho, para que as outras mães fiquem de olho e todas as crianças acometidas sejam tratadas ao mesmo tempo, evitando que fiquem passando uma para a outra.

 

Espero ter ajudado…

 

Um abraço,

Dra Juliana Macéa

 

 

Dra. Juliana Macéa é colunista do Just Real Moms e escreve aqui todo mês. Para ler (ou reler) o último post da Ju, cliquem AQUI.

 

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários:Piolhos, talvez você passe por isso – por Dra. Juliana Macéa
  1. Avatar
    Juliana

    Post interessante para mostrar que não é devido a falta de higiene que pegamos piolho. Confesso que tive muito na época de colégio….ahh na época tinha aquelas coisas de vinagre….ficava com cabelo cheirando vinagre, quase uma salada bem temperada lkkkkk. Sorte q hj existem remédios eficazes e até de forma oral. Bjs

    • Avatar
      Juliana

      Oi Ju, nossa me lembro dessa fase do “vinagre” rsrsrsr. Um beijo

X Leia também: