Aborto Espontâneo: Quais são as Possíveis Causas?

De Mãe para Mãe - Infertilidade - Somos todas iguais08/01/21 By: Clínica Vida Bem Vinda
(0) Comentários

Passar por um aborto é sem dúvida uma experiência muito dolorida e, geralmente, nós mães passamos por um momento de muita solidão. Então, achamos interessante entender as possíveis causas de um aborto espontâneo.

Just Real Moms Aborto Espontâneo Quais As Possíveis Causas Dr. Renato Tomioka

Oi meninas! Tudo bem? Sabemos que o aborto espontâneo não é algo “novo”, mas sentimos que muitas mulheres estão começando a se abrir e compartilhar mais sobre esse momento tão dolorido…e geralmente, muito solitário.

Já escrevemos sobre isso no passado, quando contamos “O que precisamos saber sobre aborto espontâneo“.

O Dr. Renato Tomioka, da Clínica, Vida Bem Vinda, explica quais as possíveis causas.


Relativamente comum, o aborto espontâneo é a interrupção da gravidez antes da 20ª semana, ou seja, até o quinto mês de gestação, ou quando o feto tem menos que 500g.

Em geral ocorre devido a uma malformação fetal que, provavelmente, não está se desenvolvendo de forma adequada.

Existem alguns mitos em relação ao aborto espontâneo, por isso, é importante que a gestante saiba que fazer exercícios, ter relações sexuais, sustos, pequenas quedas ou trabalhar em situações em que não há periculosidade não apresentam riscos naturais à gravidez., segundo as evidências científicas atuais.

Entretanto, como cada gestante precisa de cuidados específicos, é necessário consultar o médico em caso de dúvidas.

Quais são as causas mais comuns do aborto espontâneo?

1. Desenvolvimento embrionário anormal

Esse problema ocorre durante a divisão e o crescimento do embrião e, no geral, não tem relação direta com a saúde dos pais.

Trata-se de uma anomalia provocada pela não formação do feto, pela morte embrionária ou pela gravidez molar (nessa situação, o óvulo fertilizado não possui cromossomos da mãe e os cromossomos do espermatozoide do pai são duplicados).

A maioria das alterações de desenvolvimento embrionário/fetal estão relacionadas às aneuploidias, que são desequilíbrios nos números de cromossomos, como a monossomia do X (Síndrome de Turner) e trissomia do cromossomo 21 (Síndrome de Down).

As aneuploidias são as principais causas de abortamento espontâneo, responsáveis por cerca de 60-70% dos casos.

São também as causas mais frequentes de falha de tratamentos de reprodução assistida, como a Fertilização in vitro.

2. Saúde materna

Quando a saúde física da mãe não está em perfeitas condições, o feto pode não se desenvolver corretamente e, assim, um aborto espontâneo pode acontecer.

Entre as situações mais comuns, estão a diabetes (quando não controlada), as doenças da tireoide como hipotireoidismo, as infecções e as malformações e problemas no útero, como septos uterinos, útero unicorno e adenomiose.

Quais são os fatores de risco?

Por muitas vezes, o aborto espontâneo não tem uma justificativa clara para ocorrer, mas sabemos que algumas circunstâncias definem o público de risco:

  • Idade: as mulheres com mais de 35 anos de idade possuem maior risco de ter um aborto espontâneo do que as mais jovens. Com 35, o risco é aproximadamente 20% maior. Com 40, as chances aumentam para 40% e podem chegar a 80% quando a gestante já completou 45 anos. Isso acontece pois o óvulo envelhece e carrega mais alterações cromossômicas quando é fecundado, aumentando o risco de malformações.
  • Doenças crônicas: como o diabetes mellitus.
  • Problemas no útero ou cervicais: anomalias nessas regiões, como as malformações Müllerianas, podem prejudicar o desenvolvimento da gestação.
  • Vícios: incluem o consumo abusivo de cigarro, álcool e drogas ilícitas, pois afetam a saúde da mulher e do bebê.
  • Peso: a gestante não deve estar nem muito abaixo do peso nem com sobrepeso; ambas as situações oferecem risco à gestação.
  • Exames invasivos: apesar de ser um risco pequeno, exames como a amniocentese e cordocentese também podem provocar o aborto espontâneo.

Como deve ser feita a prevenção?

Em situações em que o aborto espontâneo se torna recorrente, os médicos indicam algumas formas de prevenção, para evitar um desgaste emocional nos pais.

Obtido por meio de biópsia do embrião, o Exame de Análise Genética Pré-Implantacional Embrionária, ou PGD (Preimplantation Genetic Diagnosis, em inglês) é um exame clínico que detecta as condições genéticas antes da implantação do embrião no útero materno.

Dessa forma, evita-se que embriões não saudáveis sejam transferidos no tratamento de fertilização in vitro.

Para saber mais sobre esse e outros assuntos, entrem em contato com a Vida Bem Vinda – Clínica de Reprodução Humana.


Meninas, gostaríamos de abrir esse espaço para vocês compartilharem suas histórias.

Apenas uma mãe que perdeu um bebê para saber a dor, mas abrimos o espaço seguro aqui para quem quiser compartilhar algo nos comentários abaixo!


Fonte: Por Vida Bem Vinda – Clínica de Reprodução Humana
Escrito por: Dr. Renato Bussadori Tomioka [CRM-SP 130.201]

Deixe uma resposta

X Leia também: