Ser uma boa mãe está me transformando em uma esposa ruim

De Mãe para Mãe - Somos todas iguais02/02/19 By: Ana Lú Gerodetti
(1) Comentários

Olá, moms!

Tudo bem?

Muitas vezes recebemos desabafos sobre a rotina de uma mãe acaba fazendo com que mulheres tenham dificuldades dentro do casamento.

Os filhos, principalmente os pequenos, ocupam muito espaço e isso pode acabar fazendo com que as moms não tenham tempo para elas mesmas – ou os maridos.

Por isso, encontramos um texto na internet e fizemos uma tradução livre para as nossas leitoras, pois acreditamos que essa seja uma realidade para muitas de nós.

Confiram!

________________________________________________________________________________

 

Ser uma boa mãe está me transformando em uma esposa ruim

 

“Eu estou perdendo. Estou tentando fazer o jantar e eles não vão parar de exigir as coisas; há TRÊS deles e uma só de mim, e eu não consigo tirar a LUZ AZUL do banheiro RIDÍCULO!”.

Foi assim que cumprimentei meu marido quando ele entrou pela porta na noite passada. Não com um “olá”. Nenhum sorriso. Certamente, nenhum beijo, mas não tomei banho nesse dia, então ele provavelmente tentou se esquivar dessa parte. Apenas raiva, palavrões e algumas bobagens sobre lâmpadas. Eu estava no meu pior momento e foi tudo o que ele recebeu assim que chegou em casa. Ele já testemunhou meus colapsos muitas vezes antes, mas logo que entrou na porta? Essa era nova!

As coisas se acalmaram depois que todos foram alimentados. Eu estava limpando a cozinha quando ele entrou, me deu um abraço e disse: “me desculpe, você teve um dia tão difícil”.

Naquele momento eu me senti realmente terrível, porque o fato é: aquele não tinha sido um dia difícil. Foi um dia bem normal. Houve bons momentos e outros difíceis, mas nada de estressante aconteceu durante a maior parte do dia. As meninas desenharam e usamos suas criações coloridas para decorar a caixa da correspondência. Eles adoraram o almoço porque envolvia compota de maçã e queijo. E, embora os gêmeos não tenham tirado a soneca da tarde, o bebê dormiu por quase três horas. Assim, num todo, o dia poderia ter sido muito pior.

É só que tudo acabou caindo nas minhas costas de novo.

Eu estava salteando cogumelos e esquentando o arroz com feijão no microondas.

Os gêmeos “precisavam” me comunicar, enquanto faziam bagunça, que eu precisava substituir a lâmpada do banheiro, porque ela era “muito escura para fazer xixi”.

O bebê rasgou os desenhos que todos os outros tinham pintado com tanto carinho para a caixa da correspondência. Como se não bastasse, ele gritou que fez isso e suas irmãs começaram a chorar desesperadamente.

O cachorro vomitou no chão e aquele cheiro se misturou ao aroma do feijão e dos temperos que estavam dentro da panela.

É claro que tudo isso estava acontecendo exatamente no momento em que meu marido entrava em casa.

Ele chegou e se deparou com uma esposa suada e irritada, logo, assumiu que tinha sido um dia difícil. Assim que consegui respirar e pensar por um segundo, percebi uma coisa:

Meu marido nunca me vê na minha melhor forma.

No meu melhor, sou espirituosa, criativa e entusiasmada. No meu pior, eu sou estressada, mau humorada e fria. Normalmente, consigo encontrar uma média entre esses dois momentos, e, embora meus filhos muitas vezes fiquem com o meu melhor lado – e meu trabalho às vezes também -, meu marido não.

Eu me preocupo se é isso que destrói os casamentos.

Eu me preocupo que ele pense que estou sempre estressada e gritando quando estou em casa sozinha com as crianças. Porque eu não sou assim. Ele não me vê em um bom dia, às 10 da manhã, quando eu tomei café da manhã e fiz a minha corrida. Às vezes, eu consigo limpar a cozinha, escovar os dentes e talvez até me esgueirar até o banho. É quando nos aconchegamos e fazemos uma maratona de leitura de livros. Ou nós dançamos. É quando eu me divirto com meus filhos e eles conseguem ver o meu melhor.

Mas meu marido? Ele me vê na primeira hora da manhã, quando estou grogue e até preparando copos de leite para brindarmos daqui a algumas horas. Então ele me vê no final do dia, quando estou esgotada.

Há os finais de semana, claro, mas finais de semana com crianças pequenas não normais ou tranquilos. Nós saimos, em um encontro, pelo menos uma vez por semana, mas não é o suficiente.

Eu amo o fato de poder ser eu mesma com o meu marido. Ele honestamente não se importa se eu estou usando maquiagem ou algo desse tipo. Eu sei que ele me ama. Eu sei que ele ama termos criado uma família juntos. Nós somos parceiros e nos “inscrevemos” para essa vida juntos.

Mas eu quero ser engraçado, interessante e sexy quando estou com ele, pelo menos às vezes. Eu quero que ele saiba que eu sou mais do que uma mulher com coque desgrenhado e usando uma camiseta velha. E eu tenho certeza que ele sabe disso, mas por quanto tempo ele irá acreditar nisso sem nenhuma evidência do contrário? Como eu faço com que ele veja o meu melhor? Como outra mãe que fica em casa faz isso? Será que ele também se preocupa com essas coisas?

Talvez isso seja apenas um subproduto dos bebês e das crianças pequenas. Talvez, algum dia, eu arranje um tempo para mim mesma e para as coisas que gosto, como ler, escrever, pensar e fazer exercícios. Eu vou ter energia suficiente para quando o meu marido estiver por perto. Talvez eu consiga parar de gritar sobre luzes azuis e consiga colocar uma blusa limpa às vezes.

Nós dois merecemos isso. Nós realmente merecemos.

FONTE: Scary Mommy

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Ser uma boa mãe está me transformando em uma esposa ruim
  1. Ricardo

    Como marido a 33 anos entendo tudo isso que acontece e muitas vezes participo na tentativa de colaborar para melhorar essa situação. Nós homens pedimos tão pouco de nossas esposas,um sorriso, um abraço, ouvir algo picante da esposa, coisas que deixam de acontecer depois os filhos nascem. Isso realmente detona qualquer casamento, é difícil acreditar que uma pessoa que constantemente te trata com desprezo realmente te ama.

X Leia também: