Você sabe o que é Ortorexia? Quais as consequências desse comportamento em seus filhos?

Alimentação - De Mãe para Mãe - Dicas dos especialistas - Publipost17/10/17 By: Ana Lú Gerodetti
(1) Comentários

 

Olá, mamães!

Tudo bem?

Ninguém discute que toda mãe quer o melhor para seu filho! Tudo o que fazemos é sempre pensando na felicidade e na saúde deles. Nos preocupamos com cada detalhe, e a alimentação é um tema que estamos sempre em cima querendo fazer com que eles criem hábitos saudáveis! Mas temos que tomar cuidado para não exagerar nas restrições, pois isso pode gerar consequencias graves.

No texto de hoje vamos falar sobre ortorexia e suas consequencias.

Muito interessante! Confiram!

 
________________________________________________________________________________

 

Você sabe o que é Ortorexia? Quais as consequências desse comportamento em seus filhos?

 

Os hábitos alimentares das pessoas podem ser influenciados por diversos fatores, como: preferência alimentar, ritmo acelerado do dia a dia, falta de tempo para cozinhar. Além disso, as modificações e evoluções na sociedade também ajudaram a mudar a alimentação da população mundial de uma forma geral.

Nesta correria e agitação do dia a dia surge uma nova preocupação, a busca pelo corpo “perfeito” e os padrões estéticos acabam sendo mais comuns na nossa sociedade. Essa preocupação excessiva com o corpo e alimentação acabam criando alguns tipos de conflitos na hora de se alimentar ou de escolher os alimentos. Em alguns casos, pode até desencadear alguns desequilíbrios, resultando nos Transtornos Alimentares.

Você já ouviu falar em Transtornos Alimentares? Eles são classificados pela medicina como doenças psiquiátricas, que geram cuidados excessivos com a forma física e/ou alimentar. Os mais conhecidos popularmente são a anorexia nervosa e a bulimia nervosa.

Atualmente, pensando nesta preocupação com a alimentação, ouvimos falar de Ortorexia. Você sabe o que é ortorexia ou já escutou esta palavra? Ela não é descrita pela ciência como um transtorno alimentar, mas é um comportamento obsessivamente saudável, onde as pessoas têm certa fixação por alimentos classificados como saudáveis, dedicam-se mais de 3 horas para planejar o que vão comer, excluem corantes da alimentação, gorduras, sal, entre outros, ou seja, existe uma apreensão excessiva pela qualidade dos alimentos que consomem, onde o foco é alcançar a “dieta perfeita”.

E pensando um pouco nas crianças e adolescentes, quais seriam as consequências deste comportamento?

A infância e a adolescência são fases da vida muito importantes para o desenvolvimento dos hábitos alimentares. Dietas muito restritivas acabam não durando muito tempo e, além disso, nos casos de ortorexia, acaba acontecendo uma exclusão de certos grupos de alimentos, como as carnes, o leite e seus derivados, os carboidratos (pães, massas, biscoitos), comportamento que pode levar a carências nutricionais, como anemia e desnutrição. No caso das crianças e adolescentes, essas deficiências de nutrientes ou consumo inadequado de alimentos podem prejudicar o crescimento e provocar atraso escolar.

Os pais têm um papel fundamental na formação dos hábitos alimentares das crianças, devem ficar atentos com algumas atitudes, como impor o que se deve ou não comer e ficar categorizando os alimentos em: “bons” e “ruins” ou determinar um peso ideal para a criança. Os pais são responsáveis por criar um ambiente adequado para que os filhos desenvolvam comportamentos alimentares e peso saudáveis.

Vale lembrar que alguns comportamentos, que nós, pais, temos acabam passando ou estimulando as crianças! Devemos estar atentos!

Além disso, a ortorexia e comportamentos de preocupação com a imagem corporal e com aquilo que se come na frente das crianças, por parte dos pais, pode ajudar a desenvolver algum transtorno alimentar nelas. É importante os pais estarem atentos a alguns comportamentos de seus filhos, como a seleção excessiva e restrição de alimentos. Aqui vão algumas dicas para os pais:

– Incentivem seus filhos a comerem e experimentarem todos os tipos de alimentos;

– Se seu filho não conhece algum alimento, faça com que ele prove um pedacinho;

– Procure fazer todas as refeições com seus filhos à mesa, isto ajuda a fortalecer o relacionamento familiar e criar hábitos alimentares mais saudáveis;

– Observe como seu filho se comporta em relação à comida ou com determinados grupos de alimentos. É importante estar atento se existem muitas restrições.

Não se esqueça! Os Transtornos Alimentares, ou comportamentos obsessivos relacionados à alimentação devem ser tratados e diagnosticados por profissionais da saúde especializados, como médicos, psicólogos e nutricionistas.

 
________________________________________________________________________________

 

Referências:

Luna CA, Belmonte TSA. Ortorexia nervosa: um desafio para o nutrólogo. International Journal of Nutrology, 2016; 9(1):128-139.

Silveira Jr LAS, Cyrino LAR, Zeferino MD, Rosa PC, Borges S. Ortorexia nervosa e transtorno obsessivo-compulsivo: qual a relação? Psicologia Hospitalar, 2015, 13 (2), 47-63.

Alvarenga MS, Martins MC, Sato KS, Vargas SV, Philippi ST, Scagliusi FB. Orthorexia nervosa behavior in a sample of Brazilian dietitians assessed by the Portuguese version of ORTO-15. Eat Weight Disord. 2012 Mar;17(1):29-35

Souza QJOV, Rodrigues AM. Comportamento de risco para ortorexia nervosa em estudantes de nutrição. J Bras Psiquiatr. 2014;63(3):200-4.

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Você sabe o que é Ortorexia? Quais as consequências desse comportamento em seus filhos?
  1. Avatar
    fabiana

    Oi bom dia, adorei o post,acho muito importante a alimentação saudavél das crianças,mas não podemos radicalizar,precisamos ter um contra ponto.Gostaria de compartilhar com vcs nossa loja virtual,lá vc encontra tudo em suplementação para sua saude e seu bem estar,conheça também nosso emagrecedor Desodalina https://www.nutritivasaude.com.br/buscar?q=Desodalina corre e garanta o seu.

X Leia também:

Vai viajar SEM os filhos? Dicas para as crianças ficarem bem na ausência dos pais!

17/10/17Ver a matéria   >>