Vitiligo: o que você sabe sobre essa doença? – por Dra. Juliana Macéa

Dicas dos especialistas18/03/15 By: Juliana Macéa
(3) Comentários

 

Olá, moms!

Hoje a nossa colunista de dermatologia, Dra. Juliana Macéa, trouxe um post muito importante. Vocês sabem o que é o vitiligo e como reconhecê-lo no seu filho, por exemplo? É bom ficarmos informadas!

Confiram!

 


 

Vamos nos informar sobre o vitiligo?

O vitiligo não é uma doença da pele específica da infância, mas 50% dos casos se manifestam pela primeira vez até os 20 anos de idade. Embora as lesões sejam facilmente reconhecidas, ainda existem muitas dúvidas e talvez por isso, muito preconceito em relação ao tema. Espero aqui, esclarecer algumas questões.

O vitiligo é uma doença da pele que atinge até 1 % da população. A incidência em homens e mulheres é semelhante e não há estudos que comprovem uma preferência por raça. Na maioria dos casos as lesões aparecem até os 30 anos de idade, mas já foram relatados casos em idosos e até mesmo lesões presentes ao nascimento, o que é muito raro.

A causa do vitiligo ainda não foi completamente esclarecida. Sabemos que existe uma predisposição genética e, por algum ou vários fatores desencadeantes, ocorre uma agressão do próprio corpo aos melanócitos que são as células responsáveis pela produção da melanina.

A doença se caracteriza por manchas acrômicas, isto é, manchas com ausência de pigmento e por isso, brancas. São bem delimitadas e podem ser únicas e pequenas (forma localizada) ou múltiplas e extensas (forma generalizada). Além da pele, os cabelos e pelos podem ser afetados. Não são contagiosas e a evolução é imprevisível. Existem casos inclusive em que as lesões regridem sem qualquer tratamento e o melhor prognóstico é para as formas localizadas e lesões localizadas na face.

O diagnóstico na maioria das vezes é feito pelo dermatologista com auxílio da lâmpada de Wood que ajuda a evidenciar melhor as lesões, sendo às vezes necessária a confirmação por uma biópsia da pele. Como existe associação do vitiligo com outras doenças autoimunes, é recomendado realizar hemograma e avaliação dos hormônios da tireoide.

Uma boa notícia é que atualmente existem muitas possibilidades de tratamento. Eu sempre falo para meus pacientes que nenhum deles é garantido para 100% dos casos, mas se as lesões estão incomodando vale a pena tentar, pois vários pacientes respondem aos tratamentos. Entre as melhores opções destacam-se: cremes imunomoduladores, corticoide oral ou tópico e fototerapia. Para lesões estáveis há a possibilidade de microenxertos e transplante de melanócitos. No dia a dia é importante evitar traumas que podem desencadear lesões e aplicar diariamente fotoprotetor, pois a pele acometida é extremamente sensível ao sol.

Espero ter ajudado,

Um abraço,
Dra Juliana Macéa

www.masterlaserdermatologia.com
Instagram: masterlaserdermatologia

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários:Vitiligo: o que você sabe sobre essa doença? – por Dra. Juliana Macéa
  1. Milena

    Eu tive vitiligo e foi a Dra. Juliana quem me tratou. Super indico! Além de extremamente competente, é uma graça e me acolheu neste momento de fragilidade. Ótimo post e Dra. Juliana maravilhosa como sempre! Sou fã!

  2. Maria Raimunda Teixeira

    Apareceram algumas manchas ao redor de meus olhos, diagnosticadas como vitiligo. Gostaria de receber o endereço e telefone da Dra. Juliana.

    • Gabriella

      Olá, Maria!
      Você pode entrar em contato com a Dra. Juliana pelos telefones 3071-2388 e 3071-1882.
      Abraços!

X Leia também: