O lindo depoimento de uma mãe que perdeu seu filho com 4 dias!

De Mãe para Mãe - Psicologia - Relacionamentos - Saúde da Criança18/01/16 By: Juliana Freire
(3) Comentários

 

Oi, moms,

Tudo bem?

Na semana passada recebemos um email lindo da Flavia Camargo com um depoimento sobre sua experiência de ter perdido seu amado filho com apenas 4 dias de vida. Depois disso, ela escreveu um livro chamado “Quatro letras”.

Resolvemos dividir com vocês esse texto aqui no blog para tentar acalmar o coração das mamães que já passaram ou estão passando por esse terrível momento de dor.

 

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

 

QUATRO LETRAS é um livro escrito por uma mãe que viveu o desafio de se despedir do filho logo após seu nascimento. Sentindo a maternidade como uma dádiva, ela optou por identificar quais eram os benefícios que tinha alcançado com essa adversidade, para poder pensar nele sempre com gratidão.

Flavia Camargo tem 33 anos, é mãe do Igor, que faleceu com quatro dias de vida. Ela é advogada e autora do livro “Quatro Letras”, no qual conta como conseguiu reencontrar a felicidade.

 

“Em 2012 comecei a planejar minha futura gestação e mergulhei nos livros e blogs sobre o assunto, pois queria me tornar uma boa mãe. Logo no início das tentativas, em 2014, engravidei. Tudo transcorria sem problemas. Meus exames estavam ótimos. Mas fui surpreendida na 33ª semana e o que estava perfeito se transformou no extremo oposto.

No dia 7 de janeiro de 2015, preocupada com o fato de o bebê estar quieto, dei entrada no hospital para fazer uma ultrassonografia. Quando passei pela triagem, minha pressão estava 13×8 e quarenta minutos depois pulou para 24×17. Nesse pequeno intervalo, senti uma dor abdominal muito forte e tive uma hemorragia no fígado. O Igor precisou nascer imediatamente – com 7 meses e meio – pesando 1,4 kg e medindo 40 centímetros. Os sintomas foram causados pela Síndrome Hellp – uma doença rara, que se desenvolveu silenciosamente e se agravou muito rápido.

O meu maior desejo era estar perto do meu filho naquela hora em que ele lutava para sobreviver, mas não podia ajudá-lo, pois também precisava lutar pela minha vida. Não cheguei a conhecer o Igor porque ele foi levado para a UTI Neonatal, enquanto eu estava na UTI materna. Meu marido trazia fotos e vídeos que fazia dele quando o visitava na incubadora. No quarto dia, chegou a notícia de que o nosso bebê tinha nos deixado.

Durante a licença-maternidade não pude amamentar, nem levar o meu bebê para passear. Foi um período em que eu precisei cuidar de mim, cultivando alguns valores que me permitissem passar por essa experiência tão difícil com valentia e desprendimento. Enquanto realizava esse trabalho de me aperfeiçoar, a fim de suportar a falta de um ser tão amado, escrevi um livro, no qual eu narro que passei a ser feliz novamente quando percebi que meu filho me tornou um ser humano mais forte e possuidor de muitas virtudes, que não tinha desenvolvido antes da sua existência. Com a morte do Igor, eu e meu marido descobrimos que ser mãe e pai é maravilhoso, independente de quanto tempo essa experiência dure. Ele nos fez conhecer um amor incondicional, que não precisa ser retribuído para permanecer pulsando. Perceber que as perdas também provocam ganhos é uma lição que podemos tirar até mesmo das situações mais duras da vida, assim, elas se tornam leves.

A escolha do título do livro foi devido ao fato de todos os capítulos serem palavras de quatro letras, para combinar com o nome do meu filho. Assim, os capítulos do livro são: Igor, Laço, Vida, Amor, Luta, Tudo, Cura, Deus, Riso e Belo.

Meu livro está sendo vendido pela Bookstart, que não é uma editora, mas um site de financiamento coletivo. Por isso, trata-se de um procedimento diferente. Não haverá lançamento com noite de autógrafos. O livro só pode ser comprado pela internet, não irá para as livrarias. A campanha começou algumas semanas atrás e está sendo um sucesso. Nos primeiros dez dias, foi atingida a meta mínima de número de vendas para o livro poder ser publicado. Mas, apesar de já termos alcançado o valor necessário para a publicação, o livro continua sendo vendido por mais algumas semanas.

As pessoas interessadas podem acessar o link www.bookstart.com.br/quatroletras onde estão disponíveis algumas opções de pacote. O prazo para participar da campanha e comprar o livro é entre 13/11/15 e 12/01/16. Depois dessa data, os leitores receberão o livro diretamente em suas casas pelo correio.

Como mensagem final, gostaria de dizer que aprender a amar a si mesmo como se amava o filho que partiu é um caminho viável para quem deseja ser feliz novamente. A alegria que um filho nos proporciona ao nos dar a oportunidade de criar uma nova vida pode ser reencontrada ao nos tornarmos nossos próprios criadores. A morte de um filho nos leva a reformular conceitos, refazer a identidade e, enfim, a nos reinventarmos. O carinho empregado na construção desse nosso novo “eu” tem o potencial de gerar uma felicidade incomparável, quando percebemos que nosso filho nos transformou em uma pessoa melhor.”

 

bookgestantecapa

bookgestante30

As fotos foram tiradas pelo fotografo Igor Alecsander.

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários:O lindo depoimento de uma mãe que perdeu seu filho com 4 dias!
  1. Avatar
    Juliana

    Emocionada… Emocionante…
    Com lágrimas nos olhos, consigo mensurar tudo isto que vc viveu…
    Vivi duas situações mto fortes, que se assemelham mto: a primeira, em 2009, entregamos novamente a Deus, a minha sobrinha-afilhada, com 14 dias de nascida… Com um forte descolamento de placenta, minha cunhada deu entrada na urgência do hospital, e a Malu nasceu de 33 semanas, pesando quase 2k. Nasceu relativamente forte pelo tempo da gestação… Precisou ir para a UTI Neo Natal, e lá, a cada dia, evoluía… Entubada, mais com uma garra e força enormes… Linda, loirinha de olhos azuis da cor do céu…
    No 14º dia, após algumas horas de retirada do tubo, ela se entregou… E se foi…
    Depois, em 2013, realizei o meu maior sonho de engravidar… Nasci para ser mãe, é um dos meu maiores desejos… E com 2 meses de gestação, meu bebê simplesmente, parou de viver… Quietinho, voltou aos braços do Pai…Sei que o amor que construi ao gerar esta vida durante 2 meses, é uma amostra do amor de mãe… Incondicionalmente eu amei este ser tão pequenininho de uma forma tão intensa, que me ensinou tanta coisa… É amor acima de nós mesmos…
    Lindo o seu depoimento! Ele há de ajudar muitas outras mulheres a recomeçarem!

  2. Avatar
    Flavia Camargo

    Obrigada, Juliana. Sinto muito por seu bebe e sua sobrinha. Com certeza sao espiritos que continuam sua caminhada e com os quais ainda vamos nos reencontrar. Um forte abraco!

  3. Avatar
    dayane

    estou emocionada aqui…estou com 22 semanas, vou ter um príncipe, o João Miguel. E ler seu relato me deixou super emocionada, agradeço a Deus todos os dias pela vidinha que carrego aqui dentro. toda vez que sinto ele mexer é como se uma luz acendesse em mim. Deus te der forças e que você consiga ter uma linda criança. bjos forças para todas mamães!

X Leia também: