10 dúvidas mais frequentes sobre a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV)

Sem categoria17/09/19 By: Juliana Freire
(26) Comentários

 

Oi, meninas!

Tudo bem?

Atendendo à alguns pedidos de leitoras que procuram informações sobre Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), encontramos uma matéria superinteressante que lista de forma didática as 10 dúvidas mais frequentes sobre este tema.

As respostas foram dadas pela gastroenterologista e endoscopista pediátrica Cristina Targa.

Confiram abaixo!

 

Captura de Tela 2014-10-26 às 23.24.44

 


1- O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca?

A Alergia à Proteína do Leite de Vaca é um tipo de reação que ocorre quando a criança entra em contato com as proteínas presentes no leite. É uma reação imunológica, reprodutível (ou seja, se repete cada vez que ocorre), em que as nossas células reconhecem essas proteínas como estranhas e reagem contra elas.

 

2- Alergia à proteína do leite é a mesma coisa que intolerância à lactose?

Não. São duas coisas bem diferentes. A lactose é o açúcar do leite e não causa alergia. Tem muita lactose no leite materno e nenhuma criança se torna intolerante ao leite materno. A intolerância à lactose é um fenômeno de pessoas mais velhas, em geral, adultos. É a falta de uma enzima, chamada lactase, que ocorre nos adultos. As crianças só têm intolerância à lactose quando, por uma lesão intestinal extensa, perdem essa enzima. Isso ocorre nos casos de doenças, como as gastroenterites graves, por exemplo. Mas, isso não é comum.

Já a alergia à proteína do leite é um fenômeno diferente, em que há formação de anticorpos. As células de nossa defesa (linfócitos, por exemplo) têm memória e, cada vez que a proteína alergênica entra no nosso corpo, elas se “lembram” e atacam essa proteína, formando anticorpos contra ela. Isso é uma reação imunológica, bem diferente da que ocorre na intolerância à lactose. A alergia é mais comum no primeiro ano de vida e é contra a proteína. A intolerância é contra o açúcar do leite (lactose) e ocorre por falta de uma enzima, principalmente nos adultos. São dois fenômenos diferentes, que ocorrem em idades distintas e contra moléculas diferentes.

 

3- É comum a criança ter alergia à proteína do leite?

As alergias aumentaram muito no mundo atual. A asma, as rinites, a dermatite atópica e as alergias alimentares estão cada vez mais comuns. Entre as alergias alimentares, a alergia à proteína do leite de vaca é a mais comum, pois a proteína do leite de vaca é uma das primeiras proteínas que o bebê entra em contato na vida. Além disso, as alergias alimentares ocorrem com maior frequência no primeiro ano de vida, pois o intestino do bebê, ainda imaturo, não se protege adequadamente contra a presença de proteínas “estranhas” (não-humanas).

 

4- Alergia pode aparecer de maneiras diferentes?

Existem dois tipos de alergia: a imediata, que ocorre nas primeiras duas horas após o contato, e a alergia tardia, que dá mais sintomas intestinais, podendo aparecer até 72 horas após a ingestão do alimento. A alergia imediata é mais frequentemente constatada pelos alergistas e, a tardia, pelos gastropediatras.

 

5- Alimentação da mãe afeta o leite materno?

Só se o filho for alérgico. Os resíduos da proteína do leite ingeridos pela mãe migram para o leite materno. Portanto, é aconselhável que a mãe siga uma dieta isenta de leite de vaca e continue amamentando. Estudos não demonstram benefício em tirar leite materno de crianças que não têm alergias ou que não têm sintomas.

 

6- O leite de soja pode ser usado como substituto?

As fórmulas de soja não estão indicadas nos primeiros seis meses de vida, pois nessa idade, a quantidade de leite que o bebê ingere é muito grande e a soja possui hormônios fitoestrógenos. O mais indicado para as crianças que não mamam no seio é utilizar as fórmulas especiais para alergia, que se chamam fórmulas hidrolisadas ou fórmulas de aminoácidos. Além disso, como a soja também é uma proteína não-humana também pode causar alergia.

 

7- Como identificar se o filho tem alergia à proteína do leite?

Os sintomas principais são sangue nas fezes, dor e choro importantes, cólicas, diarreia, constipação, outras alergias, como dermatite atópica e alergias de pele no bebê nos primeiros meses de vida. A criança que apresenta vômitos e/ou diarreia logo após tomar sua primeira mamadeira ou que apresenta lesões de pele também pode ter alergia alimentar imediata.

 

8- Quais testes podem ser feitos pelo médico para saber se a criança tem APLV?

Para as alergias tardias, que dão sintomas gastrointestinais, não existem exames laboratoriais. O diagnóstico é clínico, ou seja, se retira a proteína do leite da dieta e observa-se se o bebê melhora. Depois de duas a quatro semanas, coloca-se o leite na dieta (da mãe ou do bebê) e verifica-se se os sintomas retornam, ou não.

No caso das alergias imediatas, há exames de sangue que podem ajudar, mas também não são 100% seguros. Esses exames ajudam no diagnóstico, mas sozinhos também não são confiáveis. É necessário haver clínica, ou seja, sintomas que melhoram com a retirada e pioram com a reintrodução do leite. Os exames de sangue ou os testes de pele só ajudam, mas não fazem o diagnóstico.

 

9- Como tratar a APLV?

O tratamento da APLV é a exclusão do leite de vaca da dieta até que o intestino da criança se recupere e amadureça para poder se defender contra a entrada de proteínas estranhas. Então, a boa notícia é que, na maioria das vezes, a APLV é transitória e o bebê poderá voltar a tomar leite ou comer coisas com leite de vaca depois de uns meses com dieta de exclusão.

Para as crianças alérgicas à proteína do leite de vaca e que mamam no seio materno, está indicado que a mãe faça a dieta sem leite de vaca e/ou derivados, e o bebê deve seguir mamando no peito. Não suspender a amamentação é muito importante. A dieta é bastante difícil e, na maioria das vezes, as mães precisam de acompanhamento da nutricionista. Para os bebês pequenos ou para as crianças maiores que não mamam mais no peito, o indicado é utilizar as fórmulas especiais para alergia, que se chamam fórmulas de hidrolisados proteicos ou fórmulas de aminoácidos.

 

10- APLV tem cura?

Diferente dos quadros de intolerância à lactose, em que a maioria das pessoas não consegue reverter as restrições, a alergia à proteína do leite de vaca pode ter cura. Estima-se que metade das crianças com APLV melhore por volta dos 12 meses de idade. E a maioria, cerca de 90%, está curada ao completar 3 anos de idade.

 

Captura de Tela 2014-10-26 às 23.19.16

FONTE: www.gnt.globo.com

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

26 Comentários:10 dúvidas mais frequentes sobre a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV)
  1. Avatar
    ivaneide

    boa noite. meu ilho teve dermatite ao entrar em contato com nan aos 4 meses. apos isso tomou nan ha. sempre teve prisão de ventre e ate hoje tem independentemente da formula que toma. só melhora com alguma fruta ou remédio. os exames deram positivos para leite e ovo.

    • Avatar
      anonimo

      meu filho tem alergia a lactose

  2. Avatar
    josilaine

    minha filha tem aplv e esta com 3 anos e ainda nao consigo entroduzir o leite de vaca na alimentacao dela, pois ainda ocorre reacoes.

  3. Avatar
    vasthy

    Olá minha filha tem 2anos e seis meses.descobri atravás do exame Rast que ela tem alergia a leite de vaca.Qual leite ela pode tomar?Pode tomar leite zero lactose?
    Aguardo sua resposta urgente.

    • Avatar
      Ricardo

      Vasthy, Olá!
      Ja trato meu filho há +2 anos para APVL, NÂO DE NENHUM TIPO DE LEITE DE ORIGEM ANIMAL, MESMO QUE SEJA SEM LACTOSE TODOS TEM PROTEÍNA! então NUNCA dÊ! faça o exame para o soja e veja se ele é alérgico à soja tbm, se não for.. o único leite que vc poderá dar nio momento é LEITE DE SOJA. Mas tem q ver se não é alérgica antes. Consulte com um ALERGISTA PEDIÀTRICO, e siga as instruções!

      Att

  4. Avatar
    Ricardo

    Uma coisa q não está citando aqui no site, não é só o leite que afeta quem tem APVL, e sim tudo que contém DERIVADOR DO LEITE, SORO DE LEITE, ETC.

    Então fica a dica aos pais como eu, sempre ler os rótulos dos alimentos, NADA DE CONTER TRAÇOS, DERIVADOS, ETC.. ou poderão ter cólicas , alergias no corpo, vômitos, etc.

    PRESTAR MUITO ATENçÂO! SE ALGUM DESSES NOMES ESTIVER NO RÓTULO, CONTÉM PROTEÍNA DO LEITE NA FÓRMULA, INTÃO NÃO Dê!
    Lactoalbumina
    Lactoglobulina
    Fosfato de lactoalbumina
    Lactoferrina
    Lactulose
    Caseína
    Caseína Hidrolisada
    Caseinato de cálcio
    Caseinato de potássio
    Caseinato de amônia
    Caseinato de magnésio
    Caseinato de sódio
    Leite (integral, semi-desnatado, desnatado, em pó, condensado, evaporado)
    Leitelho
    Nata / creme de leite
    Soro de leite
    Soro de leite deslactosado / desmineralizado
    Gordura de leite
    coalhada
    Proteína de leite hidrolisada
    lactose

    ATENÇÃO! PROTEÍNA É PROTEÍNA, LACTOSE É LACTOSE. LEITE SEM LACTOSE TEM PROTEÍNA! NÃO SE ENGANE!

  5. Avatar
    ROGÉRIO ARAUJO

    Olá,
    Tenho muita dor abdominal e descobri recentemente que tenho alergia ao leite. Sou adulto e queria saber se tem cura? Tem alguma lista de alimentos que tem proteína do leite, além dos derivados óbvios como queijos etc…?

  6. Avatar
    Viva Sem Leite

    Fico muito feliz em ver outros blogs falando sobre a APLV e achei bem interessante a matéria. Tenho um blog falando um pouco mais sobre o assunto. Passe por lá!
    http://www.vivasemleite.com.br

  7. Avatar
    Valdete

    Olá meu filho aos 8 meses de idade ficou com problemas da intolerância ao leite de vaca, ele ficou durante 3 anos sem ingerir nada de leite de vaca.Passado 24 anos depois ele começou novamente com problemas de diarreia e dores abdominais intensas, junto com náuseas,e estomago enjoado. Hoje por ex. fiz um picadinho com creme de leite sem lactose, e 30 minutos depois começou a diarreia e as dores abdominais fortíssima. Ele toma as vezes lactase quando vai ingerir leite ou derivados só que não surte efeitos, então deduz-se que ele seja intolerante a proteína do leite. Como no caso do picadinho de carne com creme de leite sem lactose que não surtiu o efeito esperado, é por isso que parece que ele seja intolerante mesmo a proteína do leite. Pode me dizer se isso tem cura? Como pode ser possível depois de 24 anos comendo de tudo referente ao leite de vaca, e agora ter voltado esse problema? Podem me ajudar ?

  8. Avatar
    Valdete

    Olá pode uma pessoa quando criança ser alérgica ao leite de vaca, e após três anos o pediatra pediu para recomeçar aos poucos a introduzir o leite de vaca e seus derivados na alimentação, e depois de 22 anos comendo derivados de leite e tomando leite de vaca, voltar a ser alérgico novamente não podendo ingerir nada de derivados do leite, com consequências fortíssimas de diarreias,dores abdominais fortes e com estomago super enjoado e com dores. Como é possível isso me expliquem por favor? Ou pode ser alguma outra doença associada ou parecida com essa? Quais exames seria indicados para eliminar essa dúvida da APVL? Por favor me respondam por email

  9. Avatar
    silvana milanez

    no meu caso eu e meus filhos desenvolvemos a alergia a proteína mais tarde,minha filha já aos 10 anos meu filho aos 6 anos e eu aos 38 anos ,será que nós podemos ter cura ainda?

  10. Avatar
    Anonimo

    Um meu netinho tem hoje 7 anos. Quando ele tinha menos de 1 ano começou a ter alergia extrema ao leite e a todos os seus derivados. Moro em Belo Horizonte, aqui era muito atrasado nesta área, 6 anos atrás. Pesquisei, que pesquisei e descobri um “leite” que ele tolerava e não lhe dava aquelas urticárias pelo corpo. Os médicos que o atenderam nem sabiam da existência de tal “leite” nessa época. As drogarias e farmácias daqui, muito menos. O leite é muito caro. Não tinha indicação e muito menos para vender em Minas. Eu pesquisei, olhei, consultei e… descobri… comprava pela Internet em São Paulo, tudo entregue por Sedex, comprei até do Rio Grande, Paraná e Santa Catarina… durante uns 3 anos, até que começou a aparecer por aqui e só na Raia de tanto que eu falava com os gerentes pois em São Paulo a Raia o tinha. Custava muito caro, ainda custa. Cheguei até a ganhar um relógio da Ultrafarma por tanta compra feita, umas 5 ou 6 latas por mês. Foi muito difícil pagar mas consegui e valeu a pena do grande esforço e das coisas que abrimos mão; agora mudou muito, o “leite é conhecido e tem nas prateleiras das grandes farmácias por aqui e quem não tem condições de adquiri-lo consegue através de autorização judicial. As prefeituras entregam o “leite” nos postos de saúde (5 ou mais latas por mês). O nome do “leite” era NEOCATE (Neocate lata vermelha até ele fazer um ano e Neocate advance, lata azul depois de um ano). Ah aquela preciosidade que fez com que o garotinho alérgico totalmente a tudo que pudesse conter leite é da DANONE e, era fabricado na Inglaterra, se não me engano em Liverpool. É uma espécie de leite modificado que engana o “sistema interno” que não reage a ele. Hoje esse meu neto é um garoto saudável, sem nada. Hoje ele toma leite integral com “bolacha” maizena, come chocolate, yogurt, bala, picolé, sorvete, etc… tudo que tem pela frente, sem nada sentir. Ah a cura total da alergia vem e a dele veio logo depois que ele fez 3 anos; não por conta do “leite” Neocate Advance que é uma espécie de leite “modificado” que enganava o organismo que não reagia à sua ingestão.

  11. Avatar
    Nida

    estou com problemas digestórios graves, preciso substituir o leite de vaca por consequencia de APLV, poderiam me sugerir algum?

  12. Avatar
    Eliana Cândida

    já passei por tantos médicos e ninguém descobriu o que minha filha tem. Com 10 meses ficou internada entre a vida e a morte com diárreia cronica pneumonia dupla e otite grave. 11 dias de luta.
    hoje ela tem 09 anos e até agora viveu indo e vindo à hospitais por problemas respiratórios até que eu percebi que não tem nada haver com o aparelho respiratório e sim com o intestinal.Vária e várias vezes ela come algo que não descobri o que é e passa mal. vomita muito e tem diarréia. Sempre aparenta ser uma criança cançada e de pouco peso.
    Fiz exames como IgE mas não deu nada. USG do abdômem total… nada…Qual Exame devo fazer pra ter certeza que não é o leite que faz isso com ela? Ela agora toma aquele O Lactose e continua passando mal.
    Obrigada

  13. Avatar
    Maria aparecida gonçalves dias

    bom dia tenho uma filha de 3 anos ela naisceu prematura nao amamentou e sempre fica muito meu apois mama leite comu.ela comessa a tuci muito naris escoreno.

  14. Avatar
    izabel

    quais tipos de leite a criança com APLV pode tomar com segurança?

    • Avatar
      Isis

      Neocate LCP 400g (Danone) idade: 1 ano de idade, Nutramigen Premium 454g (MeadJohnson) idade: 6 meses a 1 ano, Novamil Rice 400g (Biolab) Idade: 0-36 meses, Aptamil ProExpert Pepti (Danone)idade: lactante

  15. Avatar
    Altair Xavier

    Bom dia!!!
    Sou de tempos que não haviam essas coisas. Fui criado e criei meus filhos sem nenhum problema.
    Isso é uma evolução das alergias devido a alimentação atual estarem num patamar maior de conservantes e outras químicas adicionadas a todos os alimentos?
    Pelo que sei, o leite que tomamos hoje nada mais tem com o que tomávamos há 20 anos, por exemplo.
    Grato.

  16. Avatar
    francineide santos

    Boa tarde sou alergiga a lactorse mais nao sou crianca e tenha 44anos e tres anos descobrir esta sendo horrivel. tem tratamento e onde busca -lo. agradeco a atencao.

  17. Avatar
    elenice moreira da silva

    Minha filha tem 11 anos e ainda tem a alergia a proteína do leite de vaca, ainda tem cura para essa idade?

  18. Avatar
    SANDRA EUGENIO CAMPOS

    Olá! Tenho uma sobrinha que tem cinco anos e tem APLV e fica dificil devido a restrição. Vejo varios comentários a respeito de crianças menores e que tem cura. Hoje ela está com 17 kg fico muito preocupada.

    • Avatar
      maria lucilene Silva

      ola meu filha tem alergia ao leite.qual posso dar? pois ele nao esta aceitando de soja.

  19. Avatar
    Alexsa

    minha filha já tomou vários tipos de leite,até o pregomin pept enunca se deu,então foi diagnosticada com alergia a proteina do leite,antes foi muito difícil para mim e o pai dela mais graças a Deus hoje já está bem melhor!Obgd a vc que tira todas as dúvidas de mamães que tem filhos com APLV

  20. Avatar
    Valdete

    Olá pode me dar uma informação por favor! Uma pessoa hoje adulta com 29 anos de idade pode voltar a ser alérgica ao leite de vaca APLV? Pois quando criança dos 8 meses até 3 anos não podia ter nada na alimentação dele que tivesse qualquer derivado do leite de vaca. Após os 3 anos foi introduzindo novamente aos poucos o leite de vaca e até a idade de 23 anos ele não teve qualquer problema relacionado ao leite, e só fomos ter a certeza que podia ser novamente o leite de vaca porque tudo que era consumido com leite de vaca ele passa muito mal, e hoje com 29 anos qualquer vestígios sequer do leite de vaca ele passa mal com fortíssimas dores abdominais e diarreias com sangue nas vezes. Isso é possível acontecer? Onde meu filho pode fazer esses testes para detectar se é mesmo APLV ou não mas com certeza?

  21. Avatar
    Janete

    E quando a pessoa desenvolve a alergia após 55 anos como eu e sofre de enxaqueca por causa da alergia

  22. Avatar
    Leonardo

    Ótima reportagem! meu filho esta tratando APLV e logo vamos começar a introduzir gradativamente o leite de vaca na dieta dela. esse post sanou varias de nossas duvidas! obg!!

X Leia também: