Uma carta para a minha filha sobre a minha volta ao trabalho

De Mãe para Mãe - Somos todas iguais05/04/17 By: Ana Lú Gerodetti
(1) Comentários

 

Oie, meninas!

Tudo bem?

Quando as mulheres se tornam mães, algumas optam por deixar de trabalhar – mesmo que só por algum tempo – para cuidar dos filhos. Mesmo depois que eles crescem e não precisam mais de tantos cuidados, nem sempre é fácil a volta ao trabalho.

Outro dia, encontrei um texto bem bonito no site Mommy A to Z, no qual a autora escreve uma carta para sua filha. No post, ela fala sobre voltar a trabalhar de uma forma bem delicada e gostosa de ler.

Achamos uma boa ideia compartilhar o artigo com vocês, por isso fizemos uma tradução livre para o português!

Confiram!

 


 

Uma carta para a minha filha sobre a minha volta ao trabalho

Uma carta para a minha filha sobre a minha volta ao trabalho

 

Minha querida filha,

Já faz quase 8 anos que eu deixei o meu trabalho de tempo integral para ficar ao seu lado. Fiquei feliz em cada marco seu, desde o seu primeiro banho até o momento em que experimentou comidas sólidas pela primeira vez. Eu fui abençoada por poder trabalhar como freelancer, datilografando em um escritório embaixo do seu quarto, enquanto você dormia no seu berço.

Eu não tinha um plano a longo prazo enquanto a levava ao musical Munchkins, a perseguia por playgrounds nas tardes de verão, entregava os cartões da sua festa de São Valentin na pré-escola. Talvez eu tenha pensado que a vida seria sempre assim: correndo de um parque iluminado para o outro, fazendo um trabalho como freelancer de vez em quando. Nós duas contra o mundo.

Talvez eu sempre soube que isso não duraria para sempre.

A vida muda. A realidade vem de encontro a nós. Eu sei que você não consegue entender isso agora, mas, às vezes, como mãe, a definição de “estar lá para a sua família” muda.

Eu sei que você está assustada. Depois de 8 anos, a sua pedra, sua âncora em meio a todas as mudanças, está voltando a trabalhar a uma hora de distância de casa, deixando o que parece ser um vazio inculto em seu lugar. Eu entendo este sentimento, porque, mesmo eu sendo a adulta da equação, você também tem sido minha força nos últimos 8 anos.

Existem tantas coisas que eu não sei como lhe explicar.

Eu poderia lhe dizer que também estou com medo. Estive ausente por muito tempo e, embora que saiba que não vai demorar muito para que eu quebre essa distância, sentada aqui, agora, encarando essa mudança, consigo sentir o tamanho dela. Enquanto eu estive ausente, todo mundo continuou correndo em frente. Mas é o seu amor, a sua crença em mim, que faz com que eu tenha força para pular dentro desta corrida de novo.

Eu poderia lhe dizer que me sinto culpada. Porque tem uma parte de mim que está animada. Essas partes de mim que estão animadas por trabalhar com colegas; a adrenalina da constante pressão todos os dias; ser parte do mundo lá fora, vestindo algo que não pijamas. Tudo isso me parece uma antiga e familiar canção. Como se eu tivesse acordado de um sonho e tivesse voltando ao mundo que eu conhecia, voltando a uma vida que parte de mim sempre pertenceu.

Eu poderia lhe dizer que não consigo parar de pensar em você. Mesmo nos meus mais entusiasmados sonhos de trabalho, meu coração volta até você. Eu já até fiz as contas dos meus dias de férias. Suas brincadeiras de primavera. Sua reunião de pais e professores. Seu primeiro dia de aula. Aquele momento em que eu vou sair do trabalho à noite para pegar o trem que me levará até você. Nunca haverá vislumbres suficientes de seu sorriso. Nunca haverá o suficiente da música de sua voz fugaz de garotinha. Nunca haverá tempo suficiente.

Como posso lhe explicar tudo isso? Eu sei que você ficará bem, com o seu pai, seus avós, seus programas de amigas depois da escola. Mas eu sei que você sente cada pedaço desta separação iminente, porque eu também sinto. Mas eu também sei que você é como eu. Nós damos 100% de nós mesmas. Nos perderemos em nossos dias ocupados e caóticos, e sentiremos o desgosto de tudo o que perdemos quando estivermos reunidas. Empurre e puxe todos os dias até que isso pareça normal.

Sim, nos próximos meses isso será o novo normal. Você brincando com os seus amigos, depois da escola, até que o papai vá buscá-la, excitada com uma minhoca que descobriu no parquinho. Eu, gerenciando uma dúzia de tarefas do trabalho, cheia de histórias que não verei a hora de lhe contar (nenhuma com que você vá se importar). E esses 8 anos de união feliz, pontuada apenas pelo sinal da escola, vai parecer uma memória bonita e distante.

Eu poderia lhe dizer que o “novo normal” me conforta e me entristece ao mesmo tempo, mas eu preferiria apenas segurá-la e dizer que vai ficar tudo bem. Porque nós somos mais fortes do que qualquer distância entre nós. Porque, aonde quer que você vá, eu estarei com você.

Porque, não importa o quanto a vida mude – e isso sempre acontecerá -, ainda serei eu e você contra o mundo.

Fonte: Mommy A to Z

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Uma carta para a minha filha sobre a minha volta ao trabalho
  1. Talita Rodrigues Nunes

    Eu fiz uma poesia sobre essa volta ao trabalho depois do fim da licença-maternidade:
    http://somelhora.com.br/2015/11/12/setimo-mes-do-bebe-retorno-ao-trabalho/

X Leia também:

Você sabe o que é Ortorexia? Quais as consequências desse comportamento em seus filhos?

05/04/17Ver a matéria   >>