O que acontece quando você dá um “tempo sem toques” para uma mãe

De Mãe para Mãe - Perspectiva do pai04/09/17 By: Ana Lú Gerodetti
(0) Comentários

 

Olá, meninas!

Tudo bem?

Encontramos um texto muito legal que mostra a perspectiva de um pai e marido sobre os momentos em que sua esposa não quer ser tocada. Ele fala sobre quando sua mulher, Mel, rejeita seus carinhos, beijos e abraços por simplesmente precisar de um tempo sem toques.

Post super real e cheio de sentimentos!

Confiram!

 

________________________________________________________________________________

 

O que acontece quando você dá um tempo sem toques para uma mãe

 

Um ano atrás eu escrevi “Por que uma mãe não quer ser tocada“. Nele, discuti como minha esposa às vezes é “tocada”. Nós tínhamos três filhos pequenos (8, 5 e 11 meses) naquele momento e, depois deles a terem agarrado o dia todo, ela não queria nada além de se sentar sozinha, sem que ninguém pudesse encostar no seu corpo.

Isso nos colocou em um impasse porque, às vezes, ao final do dia, eu só quero abraçar e beijar minha esposa. Isso não significa necessariamente sexo. Nos meus 20 anos, significaria, mas agora, em meus 30 anos, às vezes eu só quero abraçá-la – não um longo abraço, apenas um ou dois minutos de carinho.

Lembro-me de estar realmente confuso com a forma na qual a Mel me afastou depois de ter passado um longo dia com as crianças. Eu era o homem que ela amava, certo? Nós estávamos juntos por mais de uma década – eu deveria ser a única pessoa com quem ela se sentisse 100% confortável. Por algum tempo, me perguntei se a maneira como ela rejeitou meu contato foi um sinal de que nosso casamento estava acabando. Meus amigos divorciados geralmente dizem: “Nós deixamos de ser apaixonados um pelo outro”, como se fosse algo orgânico e, muitas vezes, eu me pergunto o que realmente significa “se desapaixonar”, se por acaso isso se parece com a minha esposa não querer ser tocada.

Foi aí que entendi tudo, quando Mel me disse:

“Não é você”, falou. “É só que… Eu amo as crianças. Eu te amo. Mas todos os três estavam doentes e eu não conseguia fazer nada sem que a bebê se agarrasse à minha perna, então eu a segurei o dia todo. E, Norah, ela só queria ficar aconchegada”. Ela soltou um suspiro. Então prosseguiu, tentando descrever como as crianças ficavam se agarrando e puxando seu corpo o dia inteiro.

“À noite, depois de um longo dia com as crianças, eu só quero um momento, uma hora ou mais, sem ser tocada. Não é que eu não te ame, é só que, hoje em dia, as crianças me trazem uma sobrecarga sensorial”.

Toda essa conversa foi um momento de luz para mim – como pai e marido. Nunca na minha vida senti algo como sobrecarga sensorial. Eu não podia imaginar que alguém me tocasse tanto a ponto de eu não querer ser tocado por ninguém, mesmo a pessoa que eu mais amo, minha esposa.

Mas o engraçado é que demorou um pouco para eu responder. No ano seguinte, Mel e eu tivemos vários momentos em que cheguei em casa depois de ter passado um longo dia com garotos presos e fui dar um abraço e um beijo curtos, nada enorme… E ela se afastou. E, como antes, imediatamente tornei isso pessoal. Sempre levo um tempo para dar um passo para trás e pensar sobre a conversa que tivemos, percebendo que ela teve um longo dia e, embora eu quisesse tocá-la, eu tinha que esperar. Eu precisava lhe dar esse momento sem toques.

E suponho que esta seja a verdadeira razão pela qual eles dizem que “homens são de Marte e mulheres são de Vênus”. Muito do descobrir sobre a pessoa que você ama é informando seus desejos e vontades, falando quando você está estressado ou confuso ou tentado, tentando ajudá-los a entender e tentando encontrar um compromisso. E, neste caso, o compromisso é entender que às vezes uma mãe precisa de um pequeno espaço.

Para ser sincero, não sei se vou entender o que uma mãe passa quando ela é tocada. Fui um pai de ficar em casa por um tempo e, mesmo com as crianças agarradas a mim, nunca me sentia tocado. É algo que não consigo entender pessoalmente, mas isso não significa que eu não possa simpatizar e tentar ajudar minha esposa em relação a isso.

Então, dei alguns passos para trás, tentei dar o espaço dela quando precisava e tentei manter as crianças longe dela quando reconheço que ela precisa do seu momento “sem toques”.

Se eu descrevesse minha linguagem de amor, seria um toque. Eu sinto uma confiança e conexão com o toque da Mel como nunca havia sentido com ninguém antes. E admito que não poder tocá-la livremente 100% do tempo é difícil para mim. Isso não quer dizer que eu fico com raiva dela ou das crianças, é só que eu gostaria de tocá-la após um longo dia no trabalho.

No entanto, o que notei ao dar à minha esposa o espaço que ela precisava era que ela recorreu aos meus braços muito mais vezes. Ela estendeu a mão para mim da maneira que costumava fazer antes de termos filhos, e eu serei sincero: foi maravilhoso!

Os homens, supostamente, devem fazer o primeiro movimento – para começar um beijo, para pedir o número, esse tipo de coisa -, mas às vezes é bom estar no lado receptor. Antes das crianças, Mel muitas vezes começava o nosso beijo, mas, depois de crianças, pareceu que iríamos perder isso. Eu me perguntei se éramos nós deixando de sermos apaixonados um pelo outro, só que agora eu vejo que era apenas a pressão de ter filhos a puxando e a agarrando em todos os momentos do dia. Ela só precisava de um momento para reiniciar. Não é um momento longo. Não são dias ou semanas, apenas uma hora depois de um dia difícil. Nada enorme, mas o suficiente para que ela sinta como se fosse sua velha pessoa novamente.

Fonte: Scarry Mommy

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X Leia também: