Perto da mãe, comportamento do filho piora 800%!

De Mãe para Mãe - Educação - Psicologia - Relacionamentos07/11/17 By: Renata Pires
(1) Comentários

 

Olá,

Que mãe nunca ouviu a seguinte frase: “Nossa! Ele(a) estava ótimo(a)! Foi só você chegar que começou a fazer manha!”?

Podem não terem sido exatamente essas palavras, mas outras querendo dizer a mesma coisa… Tenho certeza de que todas vocês já ouviram ou ouvirão!

E isso foi realmente comprovado este ano por um estudo realizado por um grupo de pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. O estudo comprovou que as crianças têm, sim, um comportamento pior quando as mães estão por perto.

E pasmem, a porcentagem de piora chega a 800%! E, caso as crianças forem menores de dez anos de idade, cresce para 1.600%!

 

Perto da mãe, comportamento do filho piora 800%! - Just Real Moms

 

Para realizar a pesquisa foram acompanhadas 500 famílias. Durante o processo, as crianças foram avaliadas por birras, gritos, tentativa de agressão aos pais, carência e até mesmo fala errada para chamar a atenção.

Os resultados apontaram que 99,9% das crianças brincavam tranquilamente sozinhas, mas a partir do momento em que a mãe aparecia, as chances delas começarem a chorar era de quase 100%.

Isso aconteceu até com crianças deficientes visuais, pois elas reconheceram a presença da mãe pela voz.

Atitudes diferentes perto da mãe foram reproduzidas por todas as crianças que participaram da pesquisa. Os motivos que levam as crianças a esse comportamento a pesquisa não revelou, mas dá para deduzir que os pequenos, principalmente os menores de 10 anos, são mais apegados e necessitados da atenção da mãe.

 

Perto da mãe, comportamento do filho piora 800%! - Just Real Moms

 

Fonte: Pais e Filhos

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Perto da mãe, comportamento do filho piora 800%!
  1. Samira

    Ola maes, estou fazendo uma pesquisa e gostaria de saber qual o nome do artigo na Universidade de Washington que voces usaram como referencia nesse post? Att
    Samira

X Leia também: