Os primeiros 60 dias com o bebê: dias de neblina – por Rafaela Carvalho

Bebê - Cuidados especiais - De Mãe para Mãe - Fases - Pós-parto - Recém-nascido21/06/16 By: Juliana Freire
(23) Comentários

 

Oi moms,

Tudo bem?

Recebi esse texto pelo Facebook e me identifiquei muito! O texto é maravilhoso e mostra de forma real os primeiros 60 dias que temos com o bebê dentro de casa, que no começo parece algo nebuloso, mas depois o sol aparece e brilha muito! A Rafaela Carvalho (autora do texto), tem um blog super bacana, onde ela escreve algumas crônicas, chamado A Maternidade. Vale a pena conhecer!

Vejam que texto perfeito!

 

IMG_7007

 

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

 

Você já ouviu o ditado “neblina baixa sol que racha”? Se nunca ouviu, vou explicar. Dizem que quando o dia amanhece com muita neblina é porque será um dia lindo, de muito sol. Este texto tem a ver com isto. A neblina que vem antes do sol e do céu azul…

Ahhhhhh, os primeiros 60 dias com um bebê recém-nascido em casa. O leite que finalmente desce, deixando o seu seio do tamanho de um melão transgênico. Duro igual à uma pedra. Os hormônios que te fazem ir do gatinho fofo do Shrek para a esposa do Chuck, o boneco assassino. Se você fez cesariana, a cicatriz incomoda. Se você teve parto normal, sentar incomoda. A barriga que fica igualzinha à uma bexiguinha “murcha”, bem murchinha. Se quando grávida você tinha uma linha escura na barriga (“linea nigra”), saiba que ela consegue ficar ainda mais escura depois do parto (surpresaaaa!!). O umbigo que fica igual o olho esquerdo do Nestor Cerveró. Sangue, sangue, sangue e mais um pouquinho de sangue. Leite, leite, leite e mais um pouquinho de leite. E você que odiava usar absorvente agora tem que usar não somente na calcinha, mas também no sutiã. E para fechar com chave de ouro ainda temos a famosa cinta pós-parto (ou calcinha alta) que alguns médicos recomendam.

E não para por aí. Ainda temos:

Uma mistura de sentimentos que ninguém consegue explicar. Uma sensação de felicidade plena misturada com cansaço, amor, euforia, e tristeza.

Noites mal dormidas.

E se a noite é bem dormida, você então acorda boiando em um mar de leite. Azedo.

Seus mamilos que a essa altura já estão tão indignados com você que já quase perguntam: Escuta aqui mulher, que merda é essa que você está tentando fazer?

Cólica.

Choro. Muito choro. Chora o bebê, chora você.

Mil pessoas palpitando na sua vida e na do bebê: Não pode comer tal coisa porque dá cólica. Mas você precisa se alimentar bem, pois está amamentando. Chá de camomila é excelente para cólica. Mas não pode dar na mamadeira porque senão o bebê não vai mais pegar o peito. O bebê está dormindo demais, de menos. Está mamando demais, de menos. Você está agasalhando demais, de menos.

Quebrante. Bem-vinda ao mundo do tal do quebrante. E sempre vai ter uma para falar: “Quebrante é comum. A gente mesmo coloca quebrante nos filhos”. Quer saber? Vai todo mundo tomar no meio do c* com este papo de quebrante. Quebrante me IRRITA!!! Não vou amarrar fitinha vermelha no bebê e ponto final.

Cocô explosivo. De madrugada. Por quê? Por quê? Por quê, Senhor?

Vacinas que doem mais em você do que nele.

E durante uma madrugada qualquer, você já no auge da privação de sono, ergue o tom de voz, implorando para que o bebê durma. O bebê dorme. Você olha aquele rostinho lindo, e se pergunta: Como eu fui capaz de erguer a voz para esse anjinho que eu amo mais que tudo? Que bruxa! Eu sou a pior mãe do mundo. Víbora. Eu mereço arder no fogo do inferno…

E a quarentena acaba e você fica pensando como vai dizer para o marido que a última coisa que passa na sua cabeça é sexo.
E saiba que quando finalmente rolar, há grandes chances de ser uma merda. Juro que não sei o que acontece, mas independente do tipo de parto, dá a impressão que voltamos a ficar virgens depois de ter filho, ou é o pinto do marido que resolve ficar gigantesco e virar estrela de filme pornô.

Você cuida do bebê e acaba esquecendo de você. Você fica dias sem ao menos se olhar no espelho. Não que você não queira, mas simplesmente porque você não lembra. Falta de tempo, falta de memória, não sei. Só sei que um dia você vai se olhar no espelho e vai se deparar com uma sobrancelha mais peluda que a perna do maridão. E vai lembrar que você além de mãe, é mulher, e esposa, e filha, e amiga.

E nestas alturas, você já está igual àquele vídeo do David depois do dentista: “Is this real life”?!

E os dias passam.

E entre um choro e outro aparecem os sorrisos. Sorrisos que fazem seu coração explodir de amor e alegria.

Amamentar fica bem mais fácil.

Você já se sente mais segura e não se deixa abalar por palpites de terceiros.

Os hormônios dão uma trégua.

O bebê começa a dormir melhor.

Você e o seu bebê vão se conhecendo e entrando em sintonia. E não é que você está pegando a “manha” desta tal maternidade?!
Você até começa a cuidar um pouquinho de você.

Sexo volta a ser algo interessante, bem interessante. Se sobrar um tempinho…

E a vida vai voltando ao normal. Um novo normal.

E um belo dia você entra no elevador do prédio e encontra uma vizinha. No colo dela um bebê de 10 dias. Você olha para ela. Olha para o bebê. E tenta lembrar como era a sua rotina quando o seu filho tinha aquele tamanho.

Você tenta puxar na memória. Você não consegue lembrar. Como assim? Seu bebê tem só 7 meses, nem faz tanto tempo. Mas por que você não lembra? É como se tivesse uma fumaça. Uma neblina cobrindo a memória…

Os primeiros 60 dias de neblina.

Se você ainda está no seus 60 dia de neblina, tenha paciência. Curta os dias de pijama. Não caia na pressão dos outros que exigem que você saia da sala de parto como se nada tivesse acontecido. A vida mudou. Você mudou. Não se force a nada, absolutamente nada. Você já tem novidades o suficiente para processar. Não seja tão dura com você. Não permita que sejam tão duros com você. As visitas podem esperar. O mundo pode esperar. Leve as coisas no seu ritmo e se deixe levar rumo ao sol. Pois, depois da neblina, sempre vem o sol.

Por Rafaela Carvalho, autora do blog A.Maternidade / Facebook: A Maternidade por Rafaela Carvalho / Instagram: @a.maternidade

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 Comentários:Os primeiros 60 dias com o bebê: dias de neblina – por Rafaela Carvalho
  1. Marcileni Sodré

    Fantástico texto… realmente é desse jeito mesmo.

  2. Ana Maria Damasceno da Silva

    Amei o texto, ideal para minha filha que está na neblina com minha linda netinha.

  3. Cynthia

    Lindo texto! Pura verdade!

  4. Maria

    Lindo texto!!!

  5. José Ivo de Carvalho

    Acabei de ser avô de um lindo bebê e estou curtindo junto com minha filha. É lindo, gratificante! Beijo para todas as mamães, na sua fase mais sagrada. Por que é um momento sagrado!

  6. Rodrigo

    Quebrante? Por favor né gente! Vocês acreditam em qualquer bobagem. Tem que ser científico nestas horas. Acontecem milhares de transformações, na família toda. Aqui em casa alguns até dão palpite, mas, entra por um ouvido e sai pelo outro. Dicas só são colocadas em prática se tiverem algum fundamento, alguma comprovação. Qubrante, lendas, simpatias e outras destas besteiras não contribuem em nada, além é claro, de não passarem de pseudo-ciências.

  7. teresa

    Linda mensagem, também sou mãe, e é isso mesmo, tudo o que ela escreve e muito bem, tudo verdade, todas as mães e todo o mundo devia ler com muita atenção e os pais da criança também, que alguns por vezes não compreendem o que é ser mãe, tenho 5 filhos e recordo com muito gosto e alegria, os dias passados com eles em criança, que saudades….<3 <3 <3 <3 <3

  8. Luiza

    Lindo texto!

  9. Tania

    Que texto verdadeiro é lindo! Só quem já viveu essa fase pode entender! E mais quando essa Nélida foi em dose dupla! Parabéns a escritora/Mae!

    • Tania

      *nebulosidade

  10. Con

    Emocionante, vou passar por tudo isso novamente daqui alguns meses!!

  11. Daniela

    Fantástico!
    Parabéns!!

  12. Manuela Marque

    Está mt bem escrito ,e com grande abertura para as novas mamãs

    • Pamella

      Lindíssimo amei o texto… maravilhoso sem palavras para explicar…

  13. Catia Mendes

    Ser mãe as vezes parece um ato de loucura, na maior demostração de amor que podemos ser, ao ser mãe!!!E vou passar por tudo isso sozinha Eu e meu Bebê.

  14. Mariane

    Lendo o texto vi meu rosto fazendo várias expressões diferentes, sorri, minha sobrancelha se franziu com preocupação e meus olhos se encheram de lágrimas…. só de pensar que estou gravida e daqui a poucos meses estarei com meu bebê no colo.
    Obrigada pelo texto e por conseguir transmitir em um simples texto tantos sentimentos verdadeiros!
    Que Deus ilumine você e sua família!

  15. Márcia Feijó

    Pura verdade. A gente não acredita, pois sempre conosco será diferente…Mas não é.

  16. Miriam

    Simplismente Perfeito!

  17. Luciana

    Que texto perfeito!!! A mais pura verdade!!! Adorei !!!

  18. Luciana

    Que perfeito!!! A mais pura verdade!!! Adorei !!!

  19. Whitney Pinheiro

    Amei Rafaela, e isso mesmo… Estou passando por isso, minha bebê esta com 23 dias agora!

  20. fernanda

    Somente o ser que passa por essa experiência consegue descreve-la com tanta precisão, Ficou excelente!!!

  21. carla fabiola

    estou rindo mais estou preocupada kkkk, mãe de primeira viagem 7 meses falta pouco pra mim conhecer meu príncipe.

X Leia também: