Nossa má alimentação – por Dr. Jairo Len

Alimentação - De Mãe para Mãe - Dicas dos especialistas11/06/18 By: Renata Pires
(1) Comentários

 

Olá!

Somos cada vez mais bombardeadas por informações com relação à alimentação, principalmente quando se trata da alimentação de nossos filhos. Por um lado, somos bombardeadas pela publicidade e, por outro, pela internet, que nos traz informações e até julgamentos que muitas vezes são incoerentes.

Mas, afinal: O que é certo e errado quando se trata da alimentação de nossos filhos? Quais são os dados estatísticos sobre a má alimentação relacionado às crianças? Bom senso é a palavra-chave!

No post de hoje, Dr. Jairo Len, nosso colunista, esclarece alguns fatos.

Confiram!

 

dr_jairo_len

 

………………………………………………………………………………………………………………………………

 

Nossa má alimentação

Por “nossa”, entenda-se a alimentação infantil no Brasil que anda, de acordo com estatísticas, deturpada e pouco saudável.

Pesquisa do Ministério da Saúde (2013) revela alguns dados que todos sabemos sobre a esquizofrênica alimentação infantil.

Ao mesmo tempo em que as mães são queimadas em praça pública e querem cortar os pulsos quando não conseguem amamentar seus bebês, as estatísticas mostram que muitas destas mães oferecem, ainda no primeiro e principalmente no segundo ano de vida, alimentos pouco saudáveis para seus bebês:

– 60% dos bebês abaixo dos 2 anos já comeram bolachas recheadas e bolos prontos.

– 32% dos menores de 2 anos já tomaram néctar de caixinha e refrigerantes (!!!!!)

– Grande parte das mães já ofereceu iogurtes, que são açucarados e na maioria das vezes contém corantes, além de inúmeros aditivos químicos.

É claro que o sistema não colabora… Para os maiores, basta uma hora de canal de TV infantil para que sejam bombardeados com os lançamentos alimentares mais trash do planeta, como bolachas mega recheadas ou porcaritos de pacote…

E ainda há a crucificação do suco natural. As mães estão fugindo do corredor das frutas. Tenho insistido que há limites de quantidade para quaisquer alimentos. Concordo que há exagero no consumo de sucos naturais, muitas vezes adoçados, várias vezes ao dia (até em cardápios de berçários/maternais eu noto isso), mas com uma boa orientação há lugar para todos os alimentos naturais…

Vejo no dia a dia da clínica que tudo anda esquisito… Ao mesmo tempo em que algumas mães não querem dar lactose ou glúten para bebês absolutamente normais (por convicções dietético-religiosas próprias), outras liberam gelatina, néctar de caixinha (“única opção para a lancheira”), iogurtinhos infantis, sorvete tipo paletas… E muitas vezes estas mães são as mesmas. Que restringem aqui e liberam ali… Marcam uma idade e… liberam tudo.

Sem falar do incorrigível problema nas classes econômicas mais baixas, onde em cada porta de escola há um ambulante lotado de pipocas-de-isopor e salgadinhos super-salgados-e-oleosos a menos de R$ 1 o pacote. Não que isso não atinja a todos, mas os estudos mostram que quanto menor o poder aquisitivo, maior a ingestão de calorias vazias.

Exemplos e hábitos…

Já com relação aos adultos, somente 37% consomem o recomendado diariamente de frutas e hortaliças, e 25% consomem refrigerante cinco ou mais dias por semana.

Acho que em crianças esses índices não devem ser muito diferentes.

Enfim…

O estudo serve para nos lembrar da importância da alimentação no nosso dia a dia, principalmente a de nossos filhos.

Não acho difícil fazer uma alimentação bem adequada nos primeiros 2 anos (estendida aos 5 anos), evitando açúcar, alimentos super-industrializados (como refrigerantes, néctares, bolachas recheadas e bolinhos prontos).

Bom senso é tudo…

 

Má alimentação - Just Real Moms

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Nossa má alimentação – por Dr. Jairo Len
  1. Lena

    Amei a matéria! Bom senso sempre!
    Mas falou-se muito do que é ruim! Vejo que algumas pessoas tem dificuldade para inserir no cotidiano uma alimentação mais saudavel por falta às vezes de orientações mais pontuais.

X Leia também: