Febre amarela – por Dr. Jairo Len

De Mãe para Mãe - Dicas dos especialistas - Saúde da Criança12/03/18 By: Dr. Jairo Len
(0) Comentários

Olá, meninas!

Tudo bem?

A febre amarela tem preocupado cada vez mais pessoas por todo o Brasil, por isso o nosso colunista e pediatra, Dr. Jairo Len Clínica Len(), nos escreveu um texto explicando o que tem acontecido e como se prevenir.

Confiram!

________________________________________________________________________________

 

Febre Amarela – Situação Atual

Como já se previa em 2016, a febre amarela (FA) chegaria a São Paulo e algumas capitais do Brasil.
Já existia a previsão porque se notava a migração e morte de macacos através uma “estrada”, o chamado corredor ecológico, áreas de floresta que ligam os estados.

 

Fonte: Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo

 

A única medida preventiva realmente eficaz teria sido a recomendação e realização da vacinação antes dos macacos infectados chegarem às áreas previstas.

Como sabemos, isso não foi feito, a agora sofremos com a proximidade da doença. Macacos infectados já chegaram às matas ao redor de São Paulo, causando epidemias em cidades com Mairiporã, São Roque, Atibaia e Bragança Paulista, entre outras.

Para ser infectada, uma pessoa precisa ser picada pelos mosquitos infectados (que picam os macacos). São os mosquitos Sabethes e Hemagogus, que só vivem em áreas de mata fechada. Dentro das cidades temos o mosquito Aedes Aegypti – que também podem picar macacos e humanos infectados – e começar o ciclo urbano da doença. Esse seria um enorme problema, que não ocorre desde 1942 no nosso país.

A única medida realmente eficaz para conter o surto atual é a VACINAÇÃO.

Todas as pessoas entre 9 meses e 60 anos de idade devem ser vacinadas, seja com a vacina oferecida pelos postos de saúde (produzida pela Fiocruz, no Brasil) como a vacina francesa, a Stamaril (Lab. Sanofi) que só é encontrada, raramente, nas clínicas particulares de vacinação.

Ambas são eficazes e seguras. Ainda que se fale muito em efeitos colaterais, lembro que são comuns a todas as vacinas. Nesse caso, 10% de chance de reação, como febre, dores musculares mal estar. Ocorrem em geral até 10 dias após a imunização.

Reações mais graves são raríssimas (1 para 400 mil), e em geral ocorrem quando há alguma faixa de contraindicação, como:
– Doenças autoimunes, uso de medicamentos imunossupressores (como cortisona em altas doses e longos períodos), doenças crônicas descontroladas, idade acima de 60 anos (neste caso, o médico clínico deve autorizar ou não a vacinação) e crianças abaixo dos 9 meses de idade.

Acima dos 2 anos de idade, o governo tem realizado a dose fracionada (um quinto da dose, ou 0,1 ml) que, em estudo amplo realizado aqui no Brasil, se mostra eficaz e protetora, por até 8 anos, inicialmente. Entre 9 meses de idade e 2 anos a dose é sempre a completa (0,5 ml), porque não houve estudos de dose fracionada nessa faixa etária.

Recomendo que todas as pessoas aptas recebam a vacina contra febre amarela.

Quem já tomou em outra época (5, 10 , 20 anos atrás) não necessita reforço. Sabe-se hoje que a imunidade conferida pela vacina em dose completa é para a vida toda, em qualquer idade que se receba.

Quem não recebeu uma dose da vacina deve estar atento e evitar as áreas onde houve casos, sempre atualizadas diariamente nesse site: CVE São Paulo

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X Leia também: