Brincadeiras desestruturadas são o milagre que os pais estavam esperando

Brinquedos - De Mãe para Mãe - Psicologia09/03/17 By: Ana Lú Gerodetti
(1) Comentários

 

Olá, moms!

Tudo bem?

Muitas vezes, vocês comentam que sentem falta de quando eram crianças, pois, naquele tempo, não haviam videogames e uma agenda cheia de tarefas, o que fazia com que vocês (e as outras crianças) brincassem muito mais do que os pequenos de hoje.

Tem se tornado cada vez mais comum transformar a vida deles em uma grande escala de horários, afinal, a criança nunca pode ficar entediada, certo? Errado. Ela pode e deve ficar entediada para exercitar a criatividade e a imaginação.

No post de hoje, encontramos um artigo incrível no site Scary Mommy, onde a autora, Joelle Wisler, fala sobre as “brincadeiras desestruturadas” – ou “brincadeiras livres”.

Confiram o texto dela em tradução livre para o português!

 


 

Brincadeiras desestruturadas são o milagre que os pais estavam esperando

 

Brincadeiras desestruturadas são o milagre que os pais estavam esperando

 

Você já viu uma criança brincar com uma caixa de papelão? Eu vi. Eu tenho visto uma caixa de papelão se tornar tudo, desde um foguete, em um berço de bebê e até mesmo em um cantinho do castigo para bichos de pelúcia que responderam suas mães – e eu talvez consiga saber de onde a minha filha tirou essa última ideia.

Ver os meus filhos brincando com uma caixa de papelão meio que me faz querer atirar todos os seus outros brinquedos no fogo e dançar em cima das cinzas, e, então, cancelar o Natal para sempre. Eles se entretem muito mais com as suas próprias imaginações do que qualquer coisa que eu possa comprar em uma loja. Acontece que essa é uma ideia muito, muito boa!

Por que as brincadeiras desestruturadas são tão importantes?

Psicólogos infantis definem as brincadeiras desestruturadas como “o tipo de brincadeira que não se apoia em tecnologia, não tem roteiro definido e não possui outro objetivo que não seja o de inventar mundos e criar ideias”. Insira uma caixa de papelão, um tubo de papel higiênico, um galho aleatório com formato de varinha ou um seixo preto que pode se tornar uma poção para acordar um dragão que irá transformar todo o mundo em lava – e você entenderá tudo.

Os cientistas costumam chamar as brincadeiras desestruturadas de “brincadeira livres” e eles dizem que, de fato, “são boas para a adaptação social, lidar com o estresse e construir habilidades cognitivas, como resolver problemas”. Estas são as habilidades precisas para manter as bases dos seus filhos quando eles se formarem, então me acompanhem.

Eles só precisam de caixas de papelão, gravetos, tintas e blocos para que fiquem entediados.

Exatamente, eles precisam ficar entediados. Dra. Teresa Belton, uma psicóloga que estuda o impacto da televisão e dos vídeos na escrita das crianças, contou à BBC que o tédio permite que a criança desenvolva um “estimulo interno” que ajuda no desenvolvimento da imaginação. Eles precisam estar entediados para aprenderem a ser criativos. Vamos tentar pensar nisso na próxima vez que os pequenos dizerem que estão com tédio. “Você só está treinando a sua saúde mental, querido”.

Infelizmente, um estudo publicado no jornal dos Arquivos de Pediatria e Medicina do Adolescente aponta que o tempo de brincadeiras livres das crianças foi reduzido a ¼ entre 1981 e 1997. “Essa mudança parece ser resultado do aumento de tempo que as crianças gastam com atividades estruturadas”.

Nós estamos, literalmente, agendando suas vidas. Nós os inscrevemos no futebol, na aula de música, no karatê, nas aulas de espanhol e em todas as outras coisas, porque realmente pensamos que elas são importantes. Eu sou culpada. Nós todas somos culpadas. E não somos só nós que estamos agendando suas vidas, eles também estão passando muito mais tempo com os seus eletrônicos.

Um estudo feito pela Fundação Kaiser, em 2010, mostra que as crianças (entre os 8 e 18 anos) gastam mais de 7 horas por dia em seus aparelhos digitais. Caramba!

As brincadeiras livres não só são importantes como alguns cientistas descobriram que a falta delas pode ser, na verdade, prejudicial. O psiquiatra Stuart Brown entrevistou mais de 6 mil pessoas sobre a infância delas, em um período de 50 anos. Uma das grandes revelações foi que “a falta de oportunidades para brincadeiras desestruturadas e imaginativas podem fazer com que as crianças sejam adultos infelizes ou pouco ajustados”.

Acho que passei minha infância inteira jogando “jogos desestruturados”, o que os meus pais chamavam de “vá brincar lá fora, pelo amor de Deus!”. Eu me lembro que, na 4ª série, nossa televisão quebrou e nós não compramos uma nova por uns 2 anos. Eu simplesmente não consegui lidar com a emoção do momento em que uma nova TV chegou em casa!

Mas adivinha só? Eu também me lembro de sentar para ver alguma coisa e pensar “huh, isso é meio que entediante” e ir para fora de novo fazer animais de musgos, criar uma corrida de lagartas e brincar de feiticeira pela floresta. Meus pais nem sabiam que estavam mais do que certos em me mandar para fora brincar comigo mesma.

Eu quero o mesmo para os meus filhos. Eles precisam estar entediados para cultivar sua criatividade; eles precisam ter horários menos extenuantes e eles precisam que eu me afaste um pouco deles para que possam fazer o que os seus cérebros estão destinados a fazer: brincar.

 

Fonte: Scary Mommy

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:Brincadeiras desestruturadas são o milagre que os pais estavam esperando
  1. Sandra Canada

    Adorei esse artigo. Aliás, adoro todos os artigos que o Just Real Moms publica. Eu acompanho o blog de vocês diariamente e, algumas matérias, publico no meu grupo de pais e mães do Facebook. Concordo plenamente que “as crianças precisam brincar lá fora”, mas hoje em dia, talvez essa necessidade que os pais têm de colocar as crianças em muitas atividades é porque, pelo menos no Brasil, não podemos mais mandar nossas crianças brincar livremente na rua. É perigoso, é violento. E como vamos preencher o tempo delas quando ficam dentro de casa ou de apartamentos? Situação difícil. De repente tudo isso esteja acontecendo porque estamos com muita maldade e violência no mundo.

X Leia também: